Crimes discriminatórios crescem em 70% nos estádios de futebol do Brasil, aponta novo levantamento

Estudo do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, referente a 2019, mostra 150 ocorrências, sendo 62 a mais do que no ano anterior; confira estados que lideram

12

O protocolo adotado pela Fifa e pela CBF, em 2018, que prevê punições para clubes por ações discriminatórias de suas torcidas, não tem mostrado efeito prático no Brasil. É o que mostra uma prévia do relatório produzido pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol. O documento aponta um crescimento de 70% nos casos de racismo, machismo e homofobia nos estádios.

O levantamento mostra um salto de 88 casos em 2018 para 150 na temporada passada – sendo, portanto, 62 ocorrências a mais. Inicialmente marcado para ser lançado em maio, o estudo mostra ainda uma elevação nos casos de racismo, que saltaram de 56 para 65 em um ano.

View image on Twitter

Rio Grande do Sul tem mais ocorrências

Outro dado chama a atenção: os casos de discriminação racial estão espalhados por 16 estados brasileiros. O Rio Grande do Sul lidera o ranking com 17 ocorrências. São Paulo, com cinco, e Rio de Janeiro, quatro, completam as três primeiras posições.

O cenário anual é um reflexo do panorama apresentado no levantamento realizado pelo GloboEsporte.com, onde 48,1% dos técnicos e atletas negros, das Séries A, B e C afirmaram ter sido vítimas de racismo. Segundo o relato dos jogadores, há casos de injúrias raciais em 14 estados, espalhados pelas cinco regiões do país. Neste caso, o Rio Grande do Sul também lidera, com 20,5%.

Casos aumentam a cada ano — Foto: Arte GloboEsporte.com

Casos aumentam a cada ano — Foto: Arte GloboEsporte.com

CBF tem protocolo para punir

O panorama preocupa clubes e CBF que, desde a paralisação para a Copa América, em junho de 2018, adotou um protocolo que prevê punições às entidades, em caso de atos discriminatórios nos estádios. As penas vão desde multa a perda de pontos. Para isso, a entidade utilizou como base o artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que diz:

Art. 243-G. Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here